Hinos do Império Brasileiro

Segundo a tradição, às quatro horas da tarde do dia 7 de setembro de 1822, logo após ter proclamado a Independência do Brasil, D. Pedro I concluiu a composição de uma belíssima canção, composta em 16 de agosto do mesmo ano por Evaristo da Veiga. A canção “hino constitucional brasiliense” que seria o primeiro Hino Nacional Brasileiro.

Também em 1822, Francisco Manuel da Silva compôs uma melodia imponente, chamada “Marcha Triunfal”, em homenagem à independência do Brasil. Pelo menos duas letras foram foram compostas para esta canção e a principal delas, de autoria de Américo de Moura, presidente da província do Rio de Janeiro nos anos de 1879 e 1880, viria a ganhar popularidade como novo Hino Nacional Brasileiro, em 1831, após a abdicação de Dom Pedro I.  

Após o Golpe Militar de 1889, foi realizado um concurso para escolher um novo hino nacional para o Brasil, mas a música vencedora (“Liberdade, liberdade! Abre as asas sobre nós!…”) foi hostilizada pelo público e Marcha Triunfal, de Francisco Manuel da Silva, continuou como hino oficial.  Na versão original de Américo de Moura, a introdução possui uma letra cantada, omitida na versão atual de Joaquim Osório Duque Estrada. Com a oficialização da Marcha Triunfal como novo Hino Nacional Brasileiro, a primeira canção, de Dom Pedro I, tornou-se o Hino da Independência do Brasil. A canção Hino Constitucional Brasiliense, composta originalmente com 10 estrofes, também é executada atualmente em uma versão compacta, omitindo-se as estrofes 3, 4, 5, 6, 8 e 10. As versões completas dos hinos do Império Brasileiro são as seguintes:

HINO CONSTITUCIONAL BRASILIENSE
Posteriormente Hino da “Independência do Brasil”

 

Já podeis da Pátria filhos

Ver contente a Mãe gentil;

Já raiou a Liberdade

No Horizonte do Brasil

Já raiou a Liberdade

Já raiou a Liberdade

No Horizonte do Brasil

Refrão

Brava Gente Brasileira

Longe vá, temor servil;

Ou ficar a Pátria livre,

Ou morrer pelo Brasil.

Ou ficar a Pátria livre,

Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava

Da perfídia astuto ardil,

Houve Mão mais poderosa,

Zombou deles o Brasil.

Houve Mão mais poderosa

Houve Mão mais poderosa

Zombou deles o Brasil.

(Refrão)

O Real Herdeiro Augusto

Conhecendo o engano vil,

Em despeito dos Tiranos

Quis ficar no seu Brasil.

Em despeito dos Tiranos

Em despeito dos Tiranos

Quis ficar no seu Brasil.

(Refrão)

Ressoavam sombras tristes

Da cruel Guerra Civil,

Mas fugiram apressadas

Vendo o Anjo do Brasil.

Mas fugiram apressadas

Mas fugiram apressadas

Vendo o Anjo do Brasil.

(Refrão)

Mal soou na serra ao longe

Nosso grito varonil;

Nos imensos ombros logo

A cabeça ergue o Brasil.

Nos imensos ombros logo

Nos imensos ombros logo

A cabeça ergue o Brasil.

(Refrão)

Filhos clama, caros filhos,

E depois de afrontas mil,

Que a vingar a negra injúria

Vem chamar-vos o Brasil.

Que a vingar a negra injúria

Que a vingar a negra injúria

Vem chamar-vos o Brasil.

(Refrão)

Não temais ímpias falanges,

Que apresentam face hostil:

Vossos peitos, vossos braços

São muralhas do Brasil.

Vossos peitos, vossos braços

Vossos peitos, vossos braços

São muralhas do Brasil.

(Refrão)

Mostra Pedro a vossa fronte

Alma intrépida e viril:

Tende nele o Digno Chefe

Deste Império do Brasil.

Tende nele o Digno Chefe

Tende nele o Digno Chefe

Deste Império do Brasil.

(Refrão)

Parabéns, oh Brasileiros,

Já com garbo varonil

Do Universo entre as Nações

Resplandece a do Brasil.

Do Universo entre as Nações

Do Universo entre as Nações

Resplandece a do Brasil.

(Refrão)

Parabéns; já somos livres;

Já brilhante, e senhoril

Vai juntar-se em nossos lares

A Assembleia do Brasil.

Vai juntar-se em nossos lares

Vai juntar-se em nossos lares

A Assembleia do Brasil.

MARCHA TRIUNFAL
Posteriormente Hino Nacional Brasileiro

 

 

Introdução

Espera o Brasil que todos cumprais com o vosso dever

Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante

Gravai com buril nos pátrios anais o vosso poder

Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante

Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz

Cumpri o dever na guerra e na paz

À sombra da lei, à brisa gentil

O lábaro erguei do belo Brasil

Eia! sus, oh, sus!

Primeira Parte

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heroico o brado retumbante,

E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos,

Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte,

Em teu seio, ó Liberdade,

Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada,

Idolatrada,

Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido,

De amor e de esperança à terra desce,

Se em teu formoso céu, risonho e límpido,

A imagem do Cruzeiro resplandece.

Gigante pela própria natureza,

És belo, és forte, impávido colosso,

E o teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo

És mãe gentil,

Pátria amada,

Brasil!

Segunda Parte

Deitado eternamente em berço esplêndido,

Ao som do mar e à luz do céu profundo,

Fulguras, ó Brasil, florão da América,

Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida

Teus risonhos, lindos campos têm mais flores,

“Nossos bosques têm mais vida”,

“Nossa vida” no teu seio “mais amores”. (*)

Ó Pátria amada,

Idolatrada,

Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo

O lábaro que ostentas estrelado,

E diga o verde-louro dessa flâmula

– Paz no futuro e glória no passado.

Mas se ergues da justiça a clava forte,

Verás que um filho teu não foge à luta,

Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo

És mãe gentil,

Pátria amada,

Brasil!

Anúncios

Os comentários estão desativados.